11 hábitos diários que combatem a acidez

Atualizado el16 de julho de 2018, 22:11

Quase todos temos notado alguma vez um refluxo de ácido, subindo do estômago. Quando isso acontece é porque o esfíncter esofágico inferior, a válvula que fecha a passagem entre o estômago e o esfíncter, foi excessivamente relaxado.

  • Se notas ao menos duas vezes por semana consulta com o seu médico porque pode ter uma úlcera de estômago ou uma hérnia de hiato.
  • No resto dos casos, os conselhos que oferecemos aqui ajudam a evitar estas lesões.

1. Evite refeições pesadas

Não exagere com as gorduras, doces, chocolate, cebola, nem as especiarias. Também Limita o café, frutas cítricas e bebidas carbonatadas.

  • O trigo e outros cereais que contêm glúten (aveia, cevada e centeio) são um problema para algumas pessoas. Investiga o que te afeta.

2. Inclui glutamina (os ovos) em sua dieta

Alguns estudos têm encontrado que a glutamina, um aminoácido, ajuda a regenerar o tecido do esôfago e o estômago danificado pelo refluxo.

  • Aqui a proteína animal: carne, frango, peixe, ovos e produtos lácteos. Estes alimentos podem ajudá-lo, mas dentro de uma dieta equilibrada.

Relacionado com este artigo

Sem desconforto

3. Enche seus menus de ácido fólico

De acordo com algumas pesquisas, a vitamina a (B9) pode reduzir o refluxo ácido. Faltam mais estudos para corroborarlo mas não mais do que se assegure-se as doses ideais em sua dieta (300 a 400 microgramas por dia).

  • O ácido fólico, encontrado em vegetais de folhas verdes (rúcula, espinafre, escarola, agrião, acelga) e em amendoins, feijões secos, abacate…

4. Dorme um pouco interno

Levanta a cabeceira de sua cama para dormir algo levantado à noite. A gravidade ajuda a que a comida não suba.

  • Não durma sobre dois travesseiros porque o esôfago é então dobrado (como se fosse uma mangueira de jardim) e aumenta a pressão no estômago. A chave é que os ombros também sejam levantados.

5. Confira os medicamentos que tomas

Certos medicamentos e suplementos podem aumentar o refluxo ácido. Pergunte a seu médico, porque às vezes existem alternativas.

  • Os antidepressivos tricíclicos ou os sedativos e tranquilizantes (incluindo as benzodiazepinas) o agravam.

Relacionado com este artigo

INFO-MEDICAMENTOS

6. Reduz a gordura abdominal

A maioria das pessoas que sofrem da doença do refluxo gastroesofágico tem excesso de peso. O excesso de gordura em torno do abdômen piora dos sintomas porque acrescenta pressão sobre o estômago.

  • Emagrecimento alguns quilos já vai notar uma melhoria.

7. Busca formas de relaxar e descansar

O stress e a ansiedade piorar o refluxo. Os estudos mostram, que fazem com que se sintam pior.

  • Identifica as situações que se enfatizam e se cansam, e busca formas de evitá-las ou prepare-se para elas com técnicas de relaxamento.

8. Come em um ambiente tranquilo

Devemos insistir em fazer isso já que a digestão é controlada pelo sistema nervoso parassimpático, o que predomina quando se relaxar.

  • Este sistema é o que dá a ordem para as glândulas que secretam sucos gástricos e regula os movimentos dos órgãos e vísceras envolvidos no processo digestivo.

9. Você pode ajudar a hormona do sono?

É chamada assim porque regula o nosso ciclo de sono-vigília. Geralmente prescribirse para tratar a insônia. No entanto, nos últimos anos, os pesquisadores estão vendo que os suplementos de melatonina também podem aliviar o refluxo ácido.

  • Sua estrutura química é semelhante à do omeprazol, que é um dos anti-ácidos mais usados. De se confirmar a eficácia da melatonina para tratar até mesmo úlcera péptica, seria uma grande notícia, porque não tem os efeitos secundários deste fármaco.

Relacionado com este artigo

Descanso

10. A atividade física suave melhora o refluxo

O exercício físico leve ou moderada (caminhar, nadar ou andar de bicicleta 30 minutos por dia) pode ajudar a reduzir as suas queixas.

  • Sabe-Se que melhora a função ambulatorial do esôfago, contribui para esvaziar o estômago e promove o trânsito intestinal.
  • Além disso, ajuda a perder peso, o que também melhora o problema.
  • Ajuda também a controlar o stress e a ansiedade, que podem estar por trás de azia e o refluxo.
  • Mas atenção! Não faça exercícios intensos porque você poderia aumentar a pressão sobre o abdômen e o efeito seria negativo.

11. Come com tempo

Mastiga sempre lento e não deixe que a sua mente “te traga problemas enquanto come.

Escolha bem. Além do café, evita o chocolate, álcool, caldos de carne, gorduras aquecidas e refrigerantes.

  • E segue uma dieta mediterrânea (a verdadeira, rica em vegetais, peixes e azeite de oliva). Vários estudos têm demonstrado que costuma ser mais eficaz do que o uso de medicamentos para diminuir a acidez do estômago.

10 vantagens da Dieta Atlântica e seus benefícios para o peso

Atualizado el19 de março de 2018, 12:36

A Dieta Atlântica parte de uma constatação objetiva e clara. Na faixa que vai de Portugal, Astúrias, passando pela Galiza têm uma alimentação variada e saudável, como atesta o fato de que a longevidade destas áreas é ainda mais alta que a do arco mediterrâneo.

Relacionado com este artigo

Emagrecer

De acordo com o professor Luis Aniceto Charro, chefe de Serviço de Endocrinologia e Nutrição do Hospital de Madrid, “é uma cultura gastronómica ancestral muito saudável e benéfica para o ser humano por seus ingredientes de primeira qualidade e sua elaboração”.

EM QUE CONSISTE A DIETA ATLÂNTICA

“Não se trata de confrontar duas culturas gastronômicas –acrescenta o professor–, mas de constatar os benefícios de cada uma e começar a valorizar a atlântica”, que tinha ficado um pouco relegada.

Basicamente podem-se destacar 3 elementos fundamentais , que se destacam neste tipo de dieta:

  1. O grande valor de suas proteínas, provenientes, sobretudo, da grande quantidade de peixe que é consumida, lácteos e seus leguminosas (grão de bico, lentilha, feijão).
  2. Um excelente vinho, que tomado com moderação, uma ou duas taças, verificou-se que pode ter benefícios cardiovasculares.
  3. O potenciômetro ou caldo galego, base da gastronomia, aparentado com o stew irlandês. Vários indicadores, destacam-se seus benefícios. Por um lado, há estudos que apontam que a verdura com que se elabora, os grelos, tem propriedades protetoras contra alguns tipos de cânceres, em especial o de pâncreas. E outros ingredientes, a gordura de porco, o unto, é uma gordura que se verificou que tem propriedades anti-inflamatórias.

OS FALSOS MITOS DESTA DIETA

Contra aqueles que consideram que alguns ingredientes da dieta atlântica são prejudiciais, o nutricionista Charro, ressalta que “a dieta atlântica reduzir em até 33% o risco de infarto do miocárdio”. Além disso, são “alimentos simples de cozinhar”.

  • Não é verdade que o marisco é prejudicial. Nesta dieta o consumo é moderado. O preço também não convida a um consumo excessivo. E o marisco é uma fonte de proteína excelente, sem gordura e que bloqueia o mau colesterol, em benefício do bem.
  • Não é verdade que seja excessiva para grávidas. Todo o contrário. Há estudos que concluem que o consumo freqüente de peixe e marisco faz com que as crianças que dão à luz tenham comparativamente menos casos de falta de atenção e, no entanto, um alto grau de controle emocional. Outros estudos na Noruega também constataram que o aumento de peixe reduz o grau de agressividade das pessoas.
  • A empanada galega é saudável. Tem a vantagem de que a massa protege muito o recheio, que pode ser de carne ou de sardinha, excelentes fontes de proteínas e seu método de preparação, de cozedura muito adequado.

AS DEZ REGRAS DA DIETA ATLÂNTICA

Alguns dos nutricionistas que fazem parte da associação de promoção da dieta atlântica, criaram um decálogo para levar essa dieta.

  1. Consumo elevado de peixes, tanto de mar como de rio, e de frutos do mar. Recomenda-Se tomar de 3 a 4 vezes por semana.
  2. Tomar uma abundância de cereais, leguminosas e batatas. Contribuem com a metade das calorias que ele precisa do nosso corpo. Além de um bom aporte de fibras.
  3. Consumo elevado de frutas e produtos hortícolas. Assinala-Se, em especial, maçã e frutas cítricas, próprios da região. Entre os legumes, repolho, berzas, grelos, abundantes na faixa atlântica, e pimentos, cebolas, cenouras…
  4. Azeite de oliva como a matéria primeira para cozinhar, mas, sobretudo, como azeitona de mesa.
  5. Produtos lácteos diários, Astúrias e Galiza têm em abundância. Destaca-Se o aporte extra de os fermentados para melhorar a flora intestinal.
  6. As carnes são importantes, pela sua contribuição essencial de proteínas e ferro. Embora também se observa que o excesso pode ser prejudicial.
  7. Você tem que beber água em abundância, mas não esquecer o vinho em um consumo moderado.
  8. Gosto pela simplicidade na hora de preparar os alimentos para manter a qualidade dos ingredientes. Sobre todo o processo de cozimento, mais comum do que em outras áreas. Mas também a frigideira com azeite de oliva e pratos da prensa.
  9. Desfrutar da comida.”A boa costume do tradicional filandón que temos na Galiza –lembra o nutricionista Charro–, que não é mais do que a secretária”. É dizer, o gosto por compartilhar os momentos com a família ou amigos e sem stress. Uma qualidade de vida inseparável com a boa comida.
  10. Realizar atividade física a cada dia que complemente os hábitos alimentares e sociais.

Trata-Se, por o, de reconhecer a culinária de cada região de Portugal, porque também encontramos fatores altamente recomendados na dieta que se come na zona central da Península. Apreciar as influências mútuas das três listras, mediterrânica e atlântica, e tentar de tudo.

10 dicas para um gaspacho delicioso (dicas e receita)

Atualizado el26 de junho de 2018, 09:38

Você está “cansado” de inventar novas saladas, mas a oferta dos mercados e sua saúde estão pedindo aos gritos que tome mais vegetais crus. Se você se sente assim mais de um dia, quando você estiver pensando em o que fazer para comer, o gaspacho é uma ótima opção.

A receita básica é: 1 kg de tomate, 1 pimentão verde, 1 pepino, 2 dentes de alho 3 colheres de sopa de azeite de oliva. Mas quais são as chaves para conseguir que seja saboroso e nutritivo ao máximo?

1. Use um bom tomate maduro

É o sabor que tem que reinar nesta preparação , e isso não só se consegue colocando mais quantidade deste ingrediente que qualquer outro: é fundamental que você escolha tomates bem vermelhos, maduros, mas mais vale rejeitar os que estejam um pouco “tocados”.

Lávalos bem, trocéalos e tritúralos com o resto de alimentos e se isso te incomoda encontrar restos de peles, é melhor passar por um passador chinês que bater insistentemente: bem humano vai engrossar.

2. Não exagere com pimenta

É um coquetel antioxidante e protetor… mas neste caso, convém usá-lo com moderação. Se você vai a mão, seu sabor dominará e, o que é pior, o gaspacho, tomará uma cor parduzco pouco atraente.

3. Rebate o gosto do alho, se quiser

Você gosta de adicioná-lo, mas às vezes você se sinta mal, se “transforma” ou não gosta de seus convidados.

Relacionado com este artigo

Legal

A melhor solução neste caso é pelarlos e escaldarlos em água fervente por cerca de 10 segundos antes de desfazê-los. Com este simples gesto, mantém o sabor e economiza suas “desvantagens”.

4. Se você adicionar pão, escúrrelo bem

Existem tantas receitas de gaspacho como pessoas, porque cada um dá o seu toque pessoal. Se você que adiciona um pouco de pão molhado com água e vinagre, estrújalo bem para que o gosto nal, e a textura, não é resientan.

5. Varia o seu sabor, com frutas

Melancia e morango são as que melhor se encaixam. Uma primeira opção é substituir o tomate por morangos. Outro, a combinar esses dois ingredientes com melancia (sem sementes). Em ambos os casos, o melhor é retirar o pepino.

6. Toma-o, tanto quanto você pode

Este tipo de preparações deverá comê-las no momento, ou, quando muito, ao cabo de algumas horas.

Relacionado com este artigo

NUTRIÇÃO

O máximo que “suporta” são dois dias de geladeira, já que com o tempo o tomate toma um gosto rançoso. Ao tirá-lo do refrigerador você terá que balançá-lo, porque você vai notar que a parte “sólida” foi separado da mais líquida. Se você tiver adicionado pão, não acontece tanto.

7. Transfórmalo na sopa

O gaspacho, tende a ter uma consistência muito líquida, mas se quisermos podemos transformá-lo em uma sopa fria. Para obtê-lo, adicione o óleo e tritura a mistura durante mais tempo. Deste modo conseguir que emulsione.

O resultado não só é mais espessa, também adquire um tom cor-de-rosa.

8. Ou em uma bebida refrescante

No verão precisamos de mais líquidos do que nos meses de menos calor. Se você adicionar água gelada a um gaspacho você ganha uma bebida especialmente clara, vitamínica e saborosa.

9. Inventa, mas sem assumir riscos

Em muitas ocasiões, se falamos úteis que são as ervas aromáticas para temperar os pratos.

Neste caso, porém, se transformar em uma arma de duplo modo. Adicionar o manjericão, por exemplo, subtração autenticidade ao gaspacho e transforma muito o seu sabor.

10. Um gaspacho o verde?

Se ainda assim você gosta de personalizar as suas receitas, e já fez os seus primeiros passos com os smoothies, o que te parece este gaspacho verde?

Tritura pepino, alho, aipo e espinafre com azeite e algumas gotas de vinagre.

Escolha os melhores ingredientes

  • Tomate. Enquanto estiver maduro, vai tudo bem, mas se costumam recomendar de pêra, muito carnudos e pouco ácidos. Isso sim, é importante que estejam suficientemente moles.
  • Vinagre e azeite. Para que não saiam de seu papel de coadjuvante, o vinagre que seja de Jerez ou branco; o azeite, que tenha personalidade, mas que não se imponha, como o de arbequina.
  • Pimentão e pepino. Escolha peças médias ou pequenas para permitir que seja o tomate maduro que brilhe.

Salmorejo, grosso e delicioso

  • Mais calórico. A base é mais simples, porém mais “energética”: 1 kg de tomate maduro, 200 g de pão, 250 ml de azeite de oliva (que podem ser menos), alho (ou médio) e sal. Com estes valores obtém cerca de 6 porções.
  • Com tropezones. Você pode incorporar os ingredientes que você mais gosta. Os tradicionais são presunto e ovo cozido picado. Mas também pode aumentar o lavagante, gambitas, queijo, bastoncitos de produtos hortícolas…
  • E um bom azeite. Não há dúvida de que a melhor opção é usar um azeite de oliva extra-virgem. Mas elígelo de uma variedade de “suave”; se é forte, por ter mais valor que o gaspacho, pode dar certo amargor. Bátelo tudo de bom para adquirir esse lindo cor alaranjada.