10 vantagens da Dieta Atlântica e seus benefícios para o peso

Atualizado el19 de março de 2018, 12:36

A Dieta Atlântica parte de uma constatação objetiva e clara. Na faixa que vai de Portugal, Astúrias, passando pela Galiza têm uma alimentação variada e saudável, como atesta o fato de que a longevidade destas áreas é ainda mais alta que a do arco mediterrâneo.

Relacionado com este artigo

Emagrecer

De acordo com o professor Luis Aniceto Charro, chefe de Serviço de Endocrinologia e Nutrição do Hospital de Madrid, “é uma cultura gastronómica ancestral muito saudável e benéfica para o ser humano por seus ingredientes de primeira qualidade e sua elaboração”.

EM QUE CONSISTE A DIETA ATLÂNTICA

“Não se trata de confrontar duas culturas gastronômicas –acrescenta o professor–, mas de constatar os benefícios de cada uma e começar a valorizar a atlântica”, que tinha ficado um pouco relegada.

Basicamente podem-se destacar 3 elementos fundamentais , que se destacam neste tipo de dieta:

  1. O grande valor de suas proteínas, provenientes, sobretudo, da grande quantidade de peixe que é consumida, lácteos e seus leguminosas (grão de bico, lentilha, feijão).
  2. Um excelente vinho, que tomado com moderação, uma ou duas taças, verificou-se que pode ter benefícios cardiovasculares.
  3. O potenciômetro ou caldo galego, base da gastronomia, aparentado com o stew irlandês. Vários indicadores, destacam-se seus benefícios. Por um lado, há estudos que apontam que a verdura com que se elabora, os grelos, tem propriedades protetoras contra alguns tipos de cânceres, em especial o de pâncreas. E outros ingredientes, a gordura de porco, o unto, é uma gordura que se verificou que tem propriedades anti-inflamatórias.

OS FALSOS MITOS DESTA DIETA

Contra aqueles que consideram que alguns ingredientes da dieta atlântica são prejudiciais, o nutricionista Charro, ressalta que “a dieta atlântica reduzir em até 33% o risco de infarto do miocárdio”. Além disso, são “alimentos simples de cozinhar”.

  • Não é verdade que o marisco é prejudicial. Nesta dieta o consumo é moderado. O preço também não convida a um consumo excessivo. E o marisco é uma fonte de proteína excelente, sem gordura e que bloqueia o mau colesterol, em benefício do bem.
  • Não é verdade que seja excessiva para grávidas. Todo o contrário. Há estudos que concluem que o consumo freqüente de peixe e marisco faz com que as crianças que dão à luz tenham comparativamente menos casos de falta de atenção e, no entanto, um alto grau de controle emocional. Outros estudos na Noruega também constataram que o aumento de peixe reduz o grau de agressividade das pessoas.
  • A empanada galega é saudável. Tem a vantagem de que a massa protege muito o recheio, que pode ser de carne ou de sardinha, excelentes fontes de proteínas e seu método de preparação, de cozedura muito adequado.

AS DEZ REGRAS DA DIETA ATLÂNTICA

Alguns dos nutricionistas que fazem parte da associação de promoção da dieta atlântica, criaram um decálogo para levar essa dieta.

  1. Consumo elevado de peixes, tanto de mar como de rio, e de frutos do mar. Recomenda-Se tomar de 3 a 4 vezes por semana.
  2. Tomar uma abundância de cereais, leguminosas e batatas. Contribuem com a metade das calorias que ele precisa do nosso corpo. Além de um bom aporte de fibras.
  3. Consumo elevado de frutas e produtos hortícolas. Assinala-Se, em especial, maçã e frutas cítricas, próprios da região. Entre os legumes, repolho, berzas, grelos, abundantes na faixa atlântica, e pimentos, cebolas, cenouras…
  4. Azeite de oliva como a matéria primeira para cozinhar, mas, sobretudo, como azeitona de mesa.
  5. Produtos lácteos diários, Astúrias e Galiza têm em abundância. Destaca-Se o aporte extra de os fermentados para melhorar a flora intestinal.
  6. As carnes são importantes, pela sua contribuição essencial de proteínas e ferro. Embora também se observa que o excesso pode ser prejudicial.
  7. Você tem que beber água em abundância, mas não esquecer o vinho em um consumo moderado.
  8. Gosto pela simplicidade na hora de preparar os alimentos para manter a qualidade dos ingredientes. Sobre todo o processo de cozimento, mais comum do que em outras áreas. Mas também a frigideira com azeite de oliva e pratos da prensa.
  9. Desfrutar da comida.”A boa costume do tradicional filandón que temos na Galiza –lembra o nutricionista Charro–, que não é mais do que a secretária”. É dizer, o gosto por compartilhar os momentos com a família ou amigos e sem stress. Uma qualidade de vida inseparável com a boa comida.
  10. Realizar atividade física a cada dia que complemente os hábitos alimentares e sociais.

Trata-Se, por o, de reconhecer a culinária de cada região de Portugal, porque também encontramos fatores altamente recomendados na dieta que se come na zona central da Península. Apreciar as influências mútuas das três listras, mediterrânica e atlântica, e tentar de tudo.

Deixe uma resposta